sábado, 14 de maio de 2011

O Justiceiro

Eu já ouvi várias histórias aqui na comunidade. Algumas são bem "acreditáveis", outras, nem tanto. Basta apenas alguns minutos conversando com alguém mais velho e você estará bem servido de lendas urbanas, crendices, simpatias, histórias dos primórdios da comunidade, estórias de famílias, pessoas que deram certo, pessoas que não deram tão certo... Com certeza uma comunidade assim serviria de fonte de estudo para historiadores, admiradores da história brasileira e curiosos. Gostaria de compartilhar aqui uma das histórias mais interessantes que já ouvi aqui na comunidade. Apresento a vocês:

O JUSTICEIRO

Era apenas um rapaz. Tinha lá seus vinte e poucos anos. Bom moço, muito religioso, frequentava a igreja Assembléia de Deus juntamente com sua mãe. Ninguém poderia jamais imaginar o que Josias viria a se tornar. Será que foi o acúmulo de milhares de situações de injustiça que ele presenciou na favela que o levou a mudar totalmente a sua vida? Ou o forte apelo da própria comunidade por alguém que a defendesse? Ou ainda, um espírito louco dentro de uma carcaça aparentemente normal? A resposta jamais saberemos.
Certa vez, Josias voltava da igreja com sua mãe e um grupo de rapazes começou a falar palavras de baixo calão e senteças inapropriadas. Isso perturbou Josias, pois os meninos diziam essas palavras na frente de sua mãe. Naquele momento Josias jurou para si mesmo que não  toleraria esse tipo de comportamento na sua comunidade, e nesse exato momento, nasceria o que conhecemos hoje como "O Justiceiro".
Josias arrumou uma arma de fogo e começou a fazer justiça com suas próprias mãos. Ladrões, estupradores, bandidos, assassinos, espancadores de mulher, todos mortos pelas mãos do justiceiro. Dizem as lendas que cada vez que ele matava alguém, pintava o cabelo de uma cor diferente. Talvez algum ritual particular.
O justiceiro mandava seus amigos correrem para casa quando estava prestes a assassinar mais uma pessoa. Ele queria protegê-los. E muitas pessoas gostavam dele. Quando a polícia aparecia para dar conta dos assassinatos ninguém delatava o justiceiro. Todos tinham a mesma resposta: Não vimos nada, não ouvimos nada, não sabemos de nada. A razão disso? Todos o admiravam e acreditavam que ele fazia o bem para a comunidade, já que eliminava pessoas que amedrontavam e perturbavam a paz.
O justiceiro ainda contava com a ajuda de dois primos que o informavam quem precisava ser eliminado. Eles apenas eram informantes, mas quem matava, de fato, era Josias - o justiceiro. O trio é chamado até hoje de "Irmãos Coragem".
Em um ano, o justiceiro matou mais de vinte pessoas. Acreditava ser esse o chamado de Deus para sua vida. Fazer justiça e proteger os mais fracos.
Hoje ninguém sabe ao certo onde ele está. Alguns dizem que ele foi preso, outros, que ele foi morto. Mas a crença mais forte é de que ele está, juntamente com seus dois primos, os irmãos coragem, em outras comunidades fazendo justiça com as próprias mãos, defendendo os mais fracos e mantendo a paz. Jamais poderemos saber com certeza o paradeiro do Justiceiro e os irmãos coragem. O que nos resta é apenas sua história. E isso guardaremos.
Mas, quem sabe? Ele pode estar nesse momento em uma comunidade pertinho de você.
Jamais saberemos.